Apresentação

Considerar a autonomia e as preferências do paciente em todas as etapas do diagnóstivo e do tratamento e envolver a família é princípio do “Cuidado centrado no paciente”, prática implementada nas melhores instituições de saúde do país – como o Pró-Cardíaco – e reforçada pelos processos de acreditação hospitalar e pelo novo Código de Ética Médica do Conselho Federal de Medicina brasileiro.

A tomada de decisão clínica compartilhada consiste na comunicação transparente, e em linguagem leiga, entre médico e equipe multidisciplinar com o paciente e os familiares. São analisados os impactos na qualidade de vida e os riscos na realização de exames, intervenções terapêuticas medicamentosas e cirúrgicas.

No Pró-Cardíaco, guardados os limites éticos, pacientes graves e em estado terminal também têm sua vontade respeitada com relação à abordagem terapêutica e intensidade de cuidados. A escolha deve ser redigida e registrada previamente ou a declaração feita pelo paciente na chegada ao Hospital, na presença de familiar ou testemunha. Os Cuidados Paliativos foram introduzidos pela instituição com o objetivo de garantir um final de vida menos agressivo para pacientes sem real expectativa de cura e um processo menos traumático para os familiares.

O Hospital acredita que o “Cuidado centrado no paciente” é, ainda, oportunidade de resgate da humanização na área da saúde para os profissionais do século 21: a valorização da biografia do paciente para além de sua história clínica, a escuta atenta, o diálogo e o respeito à sua opinião para a condução do próprio tratamento.